51 3220 4209 (Gabinete) / (51) 99159 6719 (WhatsApp)

Tito viveu sua vida inteira dedicado ao trabalho e ao sustento de sua família. Como trabalhador competente e esforçado, conseguiu economizar o suficiente para adquirir uma casa em um bairro residencial de Porto Alegre. O fruto do seu esforço estava lá, simbolizado pela casa onde durante muito tempo residiu. A história de Tito poderia ser também a de Maria, de João ou de qualquer outro cidadão brasileiro, que, com o produto de seu trabalho, conseguiu adquirir uma propriedade realizando o sonho de ter um lar para chamar de seu.

A aquisição da casa própria – assim como de qualquer outro bem móvel ou imóvel – é fato que deve ser comemorado. Mas não só isso; é fato que deve ser respeitado. Infelizmente, no entanto, todos os dias a propriedade privada é desrespeitada no Brasil. Seja pela ação de invasores ou ladrões, seja pela ação de burocratas com a força da caneta, desconsidera-se persistentemente o esforço das famílias na busca pela sua própria prosperidade, afrontando o direito de propriedade. Toda e qualquer sociedade deveria se organizar respeitando os direitos mais básicos do homem: vida, liberdade e propriedade.

Não bastassem as invasões à propriedade privada alheia, ultimamente se tem visto com maior intensidade o confisco pela mão do estado. Através de artifícios retóricos como a suposta proteção do patrimônio cultural, diversos municípios têm inviabilizado o aproveitamento da propriedade privada por inúmeras famílias como a de Tito. Utilizando expedientes como o do “inventário”, que impede alterações construtivas e congela no tempo bairros inteiros – na prática – o poder público inutiliza a propriedade privada de milhares de pessoas. A pretexto de um obscuro interesse público, coletiviza-se um direito inalienável do indivíduo sem a devida compensação.

É urgente que a sociedade abra os olhos para esse tipo de agenda política. O desrespeito à propriedade privada é o primeiro passo para uma organização social coletivista, que sobrepõe interesses supostamente públicos encampados por minorias organizadas ao interesse dos indivíduos.

Deixe uma resposta