51 3220 4209 (Gabinete) / (51) 99159 6719 (WhatsApp)

Londres, Nova Iorque, Amsterdã, São Paulo. A gastronomia itinerante, representada pelos food e beer trucks, é uma tendência mundial que estava amarrada pela burocracia porto-alegrense. Por isso, a aprovação do projeto que moderniza as regras para o funcionamento dos food trucks é um avanço importante.

Ao invés de serem obrigados a estacionar, em formato de rodízio, nos 13 pontos que a EPTC determinou, os trucks poderão estacionar por toda a cidade de Porto Alegre, respeitando algumas regras. A lógica é simples: liberdade com responsabilidade. Era até mesmo contra a lógica da Gastronomia Itinerante o poder público fixar onde eles deveriam trabalhar.

O projeto pode não ser o ideal, ainda mais pra mim, um liberal convicto – alérgico à palavra “restrições”, mas é um avanço importante e, principalmente, um avanço possível. A construção do projeto com entidades representativas de diversos setores fez com que a proposta fosse aprovada por unanimidade na Câmara Municipal, algo bastante raro em se tratando de projetos que envolvem interesses distintos e até mesmo antagônicos.

Uma demonstração de maturidade dos vereadores com a pauta da desburocratização e também de sensibilidade em compor com as forças contrárias ao projeto avanços que serão importantíssimos para o dia a dia da operação de um food truck.

A partir da sanção do prefeito – se não houver vetos – os food trucks poderão estacionar nas ruas, parques, praças e corredores de ônibus e ruas fechados para lazer, desde que respeitem distância mínima de bares, restaurantes e shoppings. Sendo que para esses casos, como no trecho 1 da Orla do Guaíba, poderão continuar solicitando autorização para eventos – como já ocorre aos finais de semana por toda a cidade. Ainda quantos aos eventos, as mudanças são menores, mas fica incorporada à lei também a autorização de que nesses casos operem também trucks de cerveja e vinho, por exemplo.

Milhares de pontos pela cidade estarão aptos a receber uma opção gastronômica, trazendo vida para as calçadas, praças e parques, gerando renda e emprego para empreendedores e contribuindo para o desenvolvimento da nossa cidade.

Deixe uma resposta